Nova Lapa - Inauguração das Obras de Urbanização

Nova Lapa Nova Lapa

Em 1723, na administração Aires Saldanha, concluiu-se o ousado projeto de construção do Aqueduto da Carioca, com o objetivo de trazer de Santa Teresa para o Morro de Santo Antônio a água necessária para a expansão da cidade. Hoje, o Governo Chagas Freitas, junto a este aqueduto, conhecido como os Arcos, entrega à cidade um conjunto urbanizado de área superior a 40.000 metros quadrados, que se insere dentro de uma filosofia de governo a que nos propusemos executar com determinação e entusiasmo.

Entendemos o Rio de Janeiro como um aglomerado urbano gigantesco, a exigir obras permanentes de infra-estrutura de serviços públicos, muitas das quais a Secretaria de Obras executa nos campos de esgotamento sanitário, abastecimento de água e sistema viário. Mas entendemos o Rio de Janeiro também como uma cidade de um riquíssimo passado que nos cumpre preservar e onde reside uma população que é preciso proteger.

A partir desta concepção e com o indispensável e jamais negado apoio do Governador Chagas Freitas, planejamos na Secretaria de Obras Públicas um complexo de obras no centro da cidade, com o objetivo de doar aos cariocas, em seu centro urbano, espaços livres e amplos, dotados do máximo de áreas verdes. E conjugamos a este objetivo um segundo, não menos importante, qual seja o de criar novos eixos visuais, que valorizem e permitam vislumbrar construções que são preciosos testemunhos de nosso passado colonial.

Aqui na Lapa desapropriamos e demolimos mais de 40 imóveis, restauramos e pintamos a fachada de 27 prédios, implantamos um conjunto de 4 praças e liberamos, de ponta a ponta, a majestosa visão dos Arcos. Esta visão ainda se torna mais admirável porque contrasta com as linhas arrojadas da moderna arquitetura brasileira, representada pelos prédios próximos da Petrobrás, da Catedral Metropolitana e do Banco Nacional de Habitação. E ligando estas construções, que se distanciam na história por 250 anos, está aberta a Avenida República do Paraguai, concluída nesta administração. Ressalte-se que do outro lado dos Arcos, está pronto o projeto de urbanização da área, que poderá ser imediatamente executado, uma vez que o Governo Estadual já desapropriou alguns imóveis, inclusive ganhando uma ampla área nos terrenos correspondentes a uma fundição ali instalada.

Não podemos nesta oportunidade deixar de transmitir ao Coordenador de Obras de Conservação, meu dedicado companheiro e colega engenheiro Alcioneo José da Rocha, bem como à sua operosa equipe, os nossos agradecimentos pelo trabalho incansável aqui desenvolvido, que nos permitiu concluir esta magnífica obra.

Nova Lapa A Secretaria de Obras do Estado desapropriou 40 prédios para liberar a bela vista do "Monumento dos Arcos", construído em 1783, implantando, desse modo, o Largo da Lapa, onde são realizados segmentos das tradicionais solenidades da Semana Santa.

Senhor Governador Chagas Freitas:

Hoje, neste momento de emoção e de evocação ao passado, V. Exa. entrega à cidade este novo ponto de encontro para a população carioca.

Dentro de poucos dias, V. Exa. estará na Praça 15 de Novembro, para inaugurar sua reurbanização. Com esta obra, estamos valorizando belas construções ali edificadas e que, por seu valor histórico, são hoje tombadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

V. Exa. inaugurará ainda a Praça Rio de Janeiro na Avenida Nilo Peçanha, bem como a Praça Guanabara, no local do antigo quarteirão da Rua São José, situado entre a Avenida Rio Branco e o Largo da Carioca. Em relação à Praça Guanabara, preocupou-nos uma vez mais a criação do novo ângulo visual para quem se coloca na Avenida Rio Branco, permitindo vislumbrar a bela silhueta do Convento de Santo Antônio, que é todo evocação do passado de nossa cidade. Para que tal visão se tornasse possível, estamos demolindo um prédio de 10 andares que se situa exatamente à frente da fachada do Convento. Repara assim o Governo um lamentável equívoco administrativo, que permitiu uma construção inadequada e contrária à estética e ao respeito ao passado.

E se falamos de inaugurações de praças e áreas urbanizadas, lembremos que o Governo Chagas Freitas executou importantes obras nas Praças Serzedelo Correia, em Copacabana, Bernadelli, no Lido, Almirante Júlio de Noronha, no Leme, Saiqui, em Vila Valqueire, Coelho Neto, reforma total do Jardim de Alá e mais recentemente toda a reurbanização das Avenidas Vieira Souto e Delfim Moreira.

Aqui deste local, na histórica Lapa que procuramos valorizar e respeitar, contemplando este imponente aqueduto que foi a solução do abastecimento de água no Rio de Janeiro do século XVIII, não podemos deixar de lembrar, que por coincidência ou capricho da história, o Governo Chagas Freitas, dentro de mais alguns dias, inaugurará um complexo de obras que apresenta a solução definitiva do abastecimento de água no Rio de Janeiro do Século XX.

E assim, seja construindo adutoras e troncos alimentadores de água, seja construindo interceptores, galerias e o emissário submarino de esgotos, seja construindo pontes, túneis, elevados, seja pavimentando ruas, seja construindo e reformando escolas e hospitais, seja construindo praças e urbanizando áreas, estamos certos de que desenvolvemos um trabalho à altura dos nossos antepassados, que ao longo da história, ajudaram a moldar e construir esta maravilhosa cidade do Rio de Janeiro.

Discurso extraído do livro "As Grandes Obras que Mudaram a Face do Rio". 1975.

Praça Estado da Guanabara Praça Estado da Guanabara, na Rua São José com Av. Rio Branco, com sua fonte luminosa e casarios coloniais da Rua São José.

Praça Guanabara Praça Rio de Janeiro que dotou o centro da cidade de recantos de lazer, permitindo, também, o descortino dos aspectos coloniais do Convento de Santo Antonio.

Grandes obras

  • Estadio do Maracana

  • Emissario Submarino Ipanema

  • Guandu

  • Lagoa Rodrigo de Freitas

  • Viaduto Paulo de Frontin

  • Elevado da Perimetral

  • Nova Lapa