Resumo Biográfico

Nascido na histórica cidade de Mariana, Minas Gerais, em 20 de Outubro de 1925. Orgulha-se muito de suas origens de empedernido amante de Mariana. Filho de Salomão Ibrahim (Marmarita, Síria) e Nagibe Maria Ibrahim (Baalbeck, Líbano - cidade de mais de 3 mil anos).

Concluiu os cursos ginasial e científico no Colégio Arquidiocesano de Ouro Preto. Engenheiro Civil formado pela Escola Nacional de Engenharia da Universidade do Brasil.

Mariana Mariana, monumento nacional, berço da civilização cristã e da educação em Minas Gerais. Praça Gomes Freire - Uma das mais belas praças de Minas Gerais, contornada pelo majestoso casario do tradicional barroco mineiro. Na foto, o sobrado onde nasceu o Eng. Emílio Ibrahim.

Estádio Emílio Ibrahim Foto do Estádio Emílio Ibrahim, homenagem do seu clube de coração, o tradicional Guarany Futebol Clube de Mariana, do qual é Presidente de Honra, e onde deu seus primeiros passos em sua carreira futebolística, ao lado de grandes jogadores, entre outros, Carlyle, Elizeu, Bias e Wilson.

Veio para o Rio de Janeiro contratado pelo Fluminense F. C. como jogador, em 1948, na renovação do seu quadro profissional, implantada pelo técnico Ondino Vieira e pelos diretores Carlos Nascimento e Dilson Guedes. Castilho, Píndaro, Hélvio, Pinheiro, Mirim, Didi e outros foram seus companheiros naquele projeto-renovação. Foi campeão do Torneio Municipal daquele ano.

Simultaneamente com a sua vida de atleta no Fluminense, ingressou na Escola Nacional de Engenharia. De logo, afloraram as dificuldades para se compatibilizar as suas responsabilidades de atleta e as de universitário, mormente pela participação em longas excursões com o clube. A opção por uma das carreiras teve de ser feita e, em 1949, aos 23 anos, abandonou o futebol profissional para seguir cursando Engenharia Civil, tendo recebido o diploma em 1952.

Emílio Ibrahim no Fluminense Futebol Clube Emílio Ibrahim inicia sua carreira como atacante do Fluminense Futebol Clube

Formatura de Dr. Emílio Ibrahim Emílio Ibrahim forma-se como engenheiro pela Escola Nacional de Engenharia

Emílio Ibrahim no Fluminense Futebol Clube O quadro tricolor como se apresentava em 1948: em pé, da esquerda para a direita - Pé de Valsa, Índio, Píndaro, Helvio, Castilho e Bigode; agachados, na mesma ordem - Santo Cristo, Emílio, Simões, Orlando e Rodrigues.

Emílio Ibrahim no Fluminense Futebol Clube Orlando, Emílio e Castilho no jogo com Fluminense e South Hampton, da Inglaterra, em 1948, no estádio São Januário, no Rio de Janeiro.

Casou-se com a professora Gilza de Macedo Soares, em 1958, com quem teve dois filhos: Paulo Emílio, engenheiro e advogado, e Marcelo Roberto, advogado e ator, falecido em 1986. Tem duas netas: Carolina, nascida em 1999, e Bianca, nascida em 2006.

Ingressou na vida pública na antiga Prefeitura do Distrito Federal, em 1949, ainda como estudante, na qualidade de auxiliar de Engenheiro do Departamento de Estradas de Rodagem. Ainda como acadêmico de engenharia, exerceu o cargo de oficial de gabinete do Prefeito João Carlos Vital, durante toda sua administração.

Emílio Ibrahim e sua família O casal Gilza e Emílio Ibrahim com seus filhos Marcelo e Paulo Emílio.

Vila Marcelo Ibrahim, São Conrado Vila Marcelo Ibrahim, São Conrado.

Dr. Emílio Ibrahim e Gilza de Macedo Soares O casal Gilza e Emílio Ibrahim no recanto da Vila Marcelo Ibrahim, no alto de São Conrado.

Marcelo Ibrahim e seus pais O ator Marcelo Ibrahim, ao lado de seus pais Emílio e Gilsa, em um acontecimento social.

Carolina e Emílio Ibrahim A netinha Carolina com o vovô Emílio, em 24-12-03.

Integrando, desde 1952, o quadro de engenheiros do Estado, foi chefe do Departamento de Engenharia do Montepio dos Empregados Municipais, hoje IPERJ - Instituto de Previdência do Estado do Rio de Janeiro. Foi Presidente da ADEG (Administração dos Estádios da Guanabara), quando dirigiu o acabamento do Estádio do Maracanã, no Governo Carlos Lacerda. Foi Assessor Geral de Esportes do Estado da Guanabara, e Conselheiro Fundador do Fundo de Garantia do Atleta Profissional - FUGAP, no Governo Carlos Lacerda.

Como Diretor Geral do Departamento do Patrimônio do Estado da Guanabara, foi responsável pela transferência de bens imóveis do antigo Distrito Federal, determinada pela Lei Santiago Dantas, tendo participado, ademais, do esforço de cessão da área da antiga "Favela do Esqueleto" ao Estado da Guanabara. Com a transferência de seus ocupantes, sob o efetivo comando da Secretária de Serviços Socias, Sandra Cavalcanti, o Governador Carlos Lacerda, em solenidade pública, cedeu o terreno à Universidade do Estado da Guanabara para implantação de seu "campus".

Foi Presidente do I.A.P.C. (Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Comerciários) até a sua extinção, simultânea à unificação da Previdência Social, no Governo Castelo Branco. Naquela oportunidade, por ocasião da reforma da lei orgânica da Previdência Social, teve destacada atuação na inclusão como beneficiários da mesma todos os que exercem funções de Sacerdote e atividades de empregados domésticos.

Foi Secretário de Obras Públicas do antigo Estado da Guanabara, no Governo Chagas Freitas. Foi Secretário de Obras e Serviços Públicos do Estado do Rio de Janeiro, no Governo Chagas Freitas.

Emílio Ibrahim - Secretário de Obras Públicas do Governo Chagas Freitas Secretário de Obras Públicas do antigo Estado da Guanabara, no Governo Chagas Freitas e Secretário de Obras e Serviços Públicos do Estado do Rio de Janeiro, no Governo Chagas Freitas, na inauguração da Adutora da Barra da Tijuca e do Sistema de Gás Canalizado.

Emílio Ibrahim - Secretário de Obras Públicas do Governo Chagas Freitas Secretário de Obras Públicas visita obras de recuperação da adutora do Guandú, em 1972. Construção do by-pass para o trecho obstruído, em consequência do sério desmoronamento ocorrido em 1967.

Foi Presidente do Conselho de Administração de inúmeros órgãos do Estado, destacando-se a SURSAN, ESAG, COMLURB, DER, CEDAE, CEG, CERJ, FEEMA, CEHAB e SERLA.

Foi Diretor das Centrais Elétricas de Furnas, no Governo do Presidente João Figueiredo.

Em 1982, foi indicado a concorrer ao Governo do Estado do Rio de Janeiro pelo PDS, tendo renunciado, em decorrência de desencontros de natureza política com a direção partidária.

Foi Presidente da C.B.T.U.- Companhia Brasileira de Trens Urbanos, no Governo do Presidente José Sarney.

Encerrou nesse cargo, voluntariamente, o exercício de sua vida pública, em 1990.

Atualmente dirige seu Escritório Técnico de Serviços de Consultoria, no Rio de Janeiro.

Eng. Emílio Ibrahim Entre as suas atividades atuais, pela manhã, o ex-Secretário Estadual de Obras Públicas faz, diariamente, 1 hora de exercícios e caminhada na varanda do seu apartamento, que tem bela vista para Avenidas Vieira Souto e Delfim Moreira. A Secretaria de Obras Públicas do Estado da Guanabara reurbanizou, com bom gosto, as referidas Avenidas e executou, em 22 meses, a importante obra do Emissário Submarino de Ipanema.

Eng. Emílio Ibrahim O hábito da leitura vem dos bons tempos do Colégio Arquidiocesano de Ouro-Preto, no Grêmio Literário Tristão de Athayde, que tinha a brilhante direção do seu saudoso fundador e consagrado Mestre, Padre José Mendes Barros.

Grandes obras

  • Estadio do Maracana

  • Emissario Submarino Ipanema

  • Guandu

  • Lagoa Rodrigo de Freitas

  • Viaduto Paulo de Frontin

  • Elevado da Perimetral

  • Nova Lapa